Mudança dos termos de negociação por Valdívia irrita diretoria do Santos

O atacante Valdívia, que atualmente defende o Al Wahda, dos Emirados Árabes, e o Santos acabaram não fechando um acordo. O jogador era uma dos reforços que o técnico Dorival Jr. Havia requisitado junto a diretoria do clube. Aparentemente, o jogador e o presidente do Santos, Modesto Roma, teriam chegado num consenso. Porém, Valdívia teria mudado os termos da negociação em cima do tempo limite de transferência de jogadores do exterior para o Brasil.

Numa apuração feita pelo Esporte Uol, o clube havia oferecido um contrato de um ano, com ganhos baseados em produtividade,o atleta teria concordou com os termos. Mas, no mesmo dia de fechamento da janela de transferências, segundo o Esporte Uol, Valdívia teria imposto o teto de ganhos mensais de R$ 300 mil, limite para pelo Santos. Além disso, com um contrato de três anos de duração. Tal atitude teria irritado a diretoria do Santos, especialmente, a Modesto Roma.

O Dirigente concluiu que Valdívia usou a situação para induzir o clube a fechar um acordo que fosse mais vantajoso ao atleta. A justificativa é a postura crítica do jogador sobre contratos de produtividade, quando ainda era jogador do Palmeiras. Na época, o atacante relacionava a péssima campanha no Brasileiro, com quase rebaixamente, a enorme quantidade de jogadores que tinham contratos e produtividade com a diretoria alviverde.

O Santos esperava contar com o jogador já nas oitavas de final do Campeonato Paulista, quando a equipe foi eliminada pela Ponte Preta. Modesto Ramos não deixa claro se o “peixe” seguirá na tentativa de contratar Valdívia, na próxima janela de transferência. Segundo ele, a reativação das conversas vai depender das circunstâncias do clube e do mercado no momento. O vínculo entre o atleta e Al Wahda termina no meio deste ano. Assim, o Santos só teria de arcar com os rendimentos mensais do jogador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *